Repórter da Universa prepara matérias contra os Cristãos e as Mães brasileiras

Natália Eiras realiza pesquisa em grupos feministas, sem levar em consideração a margem qualitativa

A Repórter Natália Eiras do portal feminista Universa, do Grupo UOL, está realizando pesquisas em grupos de Facebook para suas próximas matérias. As integrantes dos grupos são exclusivamente mulheres feministas e pertencentes à mesma linha ideológica da repórter, não havendo pesquisas em grupos comuns e mais conservadores, para obter a real dimensão qualitativa dos assuntos abordados: mulheres que abortaram e mães que possuem ciúmes das filhas. O público pesquisado acredita a priori nos argumentos pautados pela repórter.

A ausência de diversidade e a escolha por grupos de membros exclusivamente concordantes a priori com suas intenções, ideologia e opiniões, afeta a qualidade das pesquisas. Os prints foram obtidos através de pessoas que não concordam com esse tipo de abordagem e procuraram o jornalista do S1N7ESE. Confira abaixo:

LeiaMais

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

Os prints foram recortados para preservar a fonte contra possíveis ações violentas de coletivos feministas na internet.

Não há qualquer pauta sobre mães e filhas que se dão bem, ou sobre mulheres que praticaram o aborto e estão mal, depressivas e não são cristãs, mas por instinto natural de preservação da espécie. Devido ao público escolhido e á ausência de diversidade na abordagem, a qualidade da pesquisa está comprometida.

Na questão do aborto, a jornalista quer culpabilizar os cristãos, o cristianismo e, por tabela, a Igreja, utilizando do termo pejorativo “culpa cristã” como motivo da depressão pós- aborto, removendo a culpa do procedimento em si – invasivo, antinatural e agressivo -, como se o aborto fosse algo bom e o cristianismo estivesse condenando essas mulheres á depressão por ser contrário ao mesmo e lhes incutir a tal “culpa cristã”, para dominar suas consciências e lhes causar prejuízos.

Quanto ao assunto das mães que sentem ciúmes das filhas, frisemos o “Mães X Filhas”, por que a escolha dessa construção simbólica e semântica? Mães versus filhas; ou contra as filhas? Parece a construção de uma narrativa de “luta de classes” a ser incutida no imaginário coletivo dessas meninas. E por que a pesquisa em grupos feministas, nos quais as meninas presentes analisam as ações de suas mães e pais através dessa ideologia, julgando de acordo com o conjunto de idéias feministas?

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

Por que a pesquisa sobre aborto exclusivamente em grupos formados por moças que acreditam previamente que a culpa que sentem é culpa do cristianismo? Até mesmo são anti-cristãs e organizam atos de vandalismo contra Igrejas.

Entrando no perfil de Facebook da repórter – Eiras Natália – encontramos exclusivamente links, imagens e posts sobre homens x mulheres (onde o homem é sempre vilão), agenda feminista e uma ou outra de superação de pessoas, desde que estejam dentro dos perfis das famigeradas “minorias”. Também encontramos as pesquisas para suas matérias da Universa, mas apenas pautas genéricas abertas ao público; não constam as pesquisas sobre aborto e “culpa cristã”, nem sobre “Mães x Filhas” em seus posts públicos.

Em sua conta de Linkedin, a repórter informa que obteve a graduação pela Universidade Cásper Líbero, em São Paulo (SP). Suas matérias para a Universa, em geral, abordam temas como “feminicídio”, aborto, relacionamentos abertos, arranjos “familiares” et caterva.


Nos ajude a construir uma mídia independente, apoie o S1N7ESE e receba recompensas e vantagens por isso: clique aqui!


Conteúdo relacionado

7
Deixe um comentário
avatar
1000
7 Tópicos de comentários
0 Respostas de tópicos
7 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Tópico mais comentado
7 Autores de comentários
DafneAline QueiroloRaíssa FerreiraArianiLarissa Autores recentes de comentários
  Se inscrever  
mais novos mais velhos mais votado
Notificação de
ErinSoramo
Visitante
ErinSoramo

Mas moço vc não está fazendo o mesmo?
O fato de vc só ter dado um print aleatório sem nem mesmo ver o resto da entrevista ou se ela fez mais uma pesquisa com psicólogo e só estava procurando história de pessoas reais pra colaborar com a pesquisa final ?
Que na real é o que ela sempre faz
Se vc se deu o trabalho de pesquisar de verdade o trabalho da mina
Melhore

Anônimo
Visitante
Anônimo

Você realmente se considera um jornalista? Porque sinceramente, criar uma “matéria” para tentar diminuir o trabalho de uma colega de trabalho me parece mais falta do que fazer do que realmente trabalho. Tem muito assunto relevante para os jornalistas trazerem do que está falando do que o outro fala. Siga o exemplo da sua colega de carreira e procure assuntos relevantes para tratar do que a vida alheia.

Larissa
Visitante
Larissa

E o ponto com a sua “matéria” seria qual? Pq não vi nenhum objetivo que não seja criticar covardemente (afinal foi pelas costas) uma colega de profissão pq ela não concorda com suas “crenças”.
Que atitude ética e louvável. Parabéns!

Dafne
Visitante
Dafne

E como vc conseguiu imagens de um grupo fechado, um lugar que deveria ser de segurança para mulheres? Você expõe a jornalista de forma inescrupulosa, já que a crítica por buscar informação no grupo, mas como vc sabe e ainda garante que lá foi o único local que ela buscou informação? Suas conclusões de forma alguma são baseadas em pesquisa ou jornalismo sério, suas afirmações são baseadas apenas em seu preconceito e ignorância sobre o assunto. E ainda expoe o grupo de forma totalmente irresponsável e covarde. Tadinho do homem branco, heterossexual, classe média, ta sendo oprimido no facebook da… Leia mais »

Aline Queirolo
Visitante
Aline Queirolo

Nossa, moço, vc já ouviu falar em ÉTICA?
Dá um Google lá!

Raíssa Ferreira
Visitante
Raíssa Ferreira

Cê não tem um pingo de decência, né, amore?
Pediu autorização da colega pra sua matéria?

Ariani
Visitante
Ariani

Muito intetessante você criar uma “matéria” para falar mal de um colega.
Expondo print de um grupo o qual você não participa, afinal, é feminista e tem apenas mulheres.
Porque você não pegou a pauta ideal e fez um trabalho melhor ou invés de criticar e expor um profissional?
Repense. Melhore.

Próximo post