Israel: Gantz e Netanyahu declaram vitória após eleição acirrada

Os dois candidatos declararam suas vitórias após pesquisas de boca-de-urna apontarem para resultados diferentes; contagem final deve sair na 5ª

Os principais candidatos das  eleições gerais realizadas em Israelnesta terça-feira (9), o primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu, e o ex-chefe do Estado-Maior Beni Gantz, consideram que venceram o pleito, tomando como base diferentes pesquisas de boca de urna que mostram como a disputa foi acirrada no país.

A maior parte das pesquisas mostra o partido Azul e Branco, liderado por Gantz, como o mais votado no pleito, com uma vantagem que vai de três a seis cadeiras para o Likud, comandado por Netanyahu. A diferença, no entanto, não garante que o ex-chefe do Estado-Maior terá o controle do Knesset, o parlamento do país.

LeiaMais

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

“Vencemos. O povo de Israel falou! Graças a milhares de ativistas e mais de um milhão de eleitores há um claro vencedor e um claro perdedor nestas eleições. Bibi (apelido de Netanyahu) prometeu 40 cadeiras e perdeu em grande estilo”, disse Gantz após a divulgação das pesquisas de boca de urna realizadas ao longo do dia.

Netanyahu, já calculando que não terá mais votos que seus opositores nas urnas, proclamou que o “bloco da direita”, liderado pelo Likud, teve uma “vitória definitiva” nas eleições.

“Agradeço aos cidadãos de Israel pela confiança. Começarei a formar uma coalizão de governo com nossos sócios naturais nesta noite”, anunciou o ainda primeiro-ministro no Twitter.

Assim que a apuração começou, Netanyahu entrou em contato com os líderes do Kulanu, Moshe Kahlon, do Israel Nosso Lar, o ex-ministro Avigdor Lieberman, e do Shas, Aryeh Deri, para garantir que eles sugerirão ao presidente de Israel, Reuven Rivlin, também do Likud, que o premiê seja o responsável por formar um novo governo.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

As pesquisas, de fato, indicam que o bloco liderado por Netanyahu conquistou mais cadeiras que a possível coalizão do Azul e Branco. O bloco de centro-esquerda liderado por Gantz teria obtido entre 56 e 60 parlamentares. Já a direita pode ter entre 60 e 66 deputados.

Como a votação foi muito apertada, todos ainda esperam a apuração final. Os resultados finais devem ser divulgados por volta das 7h locais de amanhã (1h em Brasília).

Rivlin não precisa encarregar o candidato mais votado da missão de formar um novo governo. O presidente deve escolher o candidato que mais chances tem de formar uma coalizão e que represente melhor o voto da população de Israel.

Com 30 mil votos apurados, o Azul e Branco tinha 30% da preferência do eleitorado contra 24,2% do Likud. Na sequência, estão a União de Partidos de Direita e o Partido Trabalhista, com 8% dos votos cada. A Nova Direita tem 5%, e o Merez 4%. Shas, Zehut, Kulano e Gesher estão abaixo dos 3,25% exigidos para entrar no Knesset.

Desde o encerramento da votação e a divulgação das primeiras pesquisas, os candidatos do Azul e Branco e as equipes de campanha celebram a vitória em um imóvel em Tel Aviv.

Gantz diz que venceu

“Estamos muito felizes. É uma vitória clara. É muito difícil criar uma coalizão em Israel, mas esses resultados provaram que o país expressou muito claramente que não quer Benjamin Netanyahu”, disse à Efe um simpatizante de Gantz, Guy Levy.

“Nos sentimos livres. É possível. Temos uma longa noite até os resultados finais, mas, pela primeira vez, podemos sentir um ar de mudança”, completou Uri Shapira, integrante da campanha de Gantz.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

No primeiro discurso após a votação, Gantz se apresentou como “primeiro-ministro de todos os israelenses”, não só nos que votaram nele. E classificou a data como histórica para o país.

“Nossa gente votou pela unidade e rejeitou a divisão”, disse o ex-chefe do Estado-Maior, criticando Netanyahu.

Netanyahu também celebra

Na festa do Likud, muito menos agitada do que a do Azul e Branco, Uzi Dayan, um dos candidatos do partido, afirmou que todos estão satisfeitos com os resultados preliminares da eleição.

“A boa notícia é que temos todos os ingredientes para formar um novo governo de coalizão”, afirmou Dayan.

A eleição foi marcada por uma alta abstenção nas localidades árabes em Israel, apesar de o governo ter declarado feriado nacional. Algumas regiões chegaram a convocar boicotes ao pleito, mas a participação foi de 71,4%, de acordo com o Comitê Eleitoral Central, número muito similar ao do pleito de 2015.

A ausência dos eleitores árabes pode deixar de fora do Knesset um dos partidos que representam a comunidade, o Ram-Tal.

O incidente mais grave registrado hoje ocorreu em uma seção eleitoral de uma cidade árabe. Observadores e representantes do Likud foram descobertos com câmeras ocultas, o que provocou a intervenção policial no local.

Mais de 1,2 mil equipamentos foram retirados, uma ação classificado pelo Comitê Central Eleitoral como “ilegal”.


Nos ajude a construir uma mídia independente, apoie o S1N7ESE e receba recompensas e vantagens por isso: clique aqui!


Fonte:
R7

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário
avatar
1000
  Se inscrever  
Notificação de
Próximo post