O Filósofo e os Deputados ou: exercitando o senso das proporções

Dai a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra.  (Romanos, 13:7)

O Brasil em 1994

Em 1994 eu tinha 4 anos. Nessa época em que Romário e Bebeto ganhavam o mundo aos berros de um eufórico Galvão, o Brasil achava-se às voltas de eleger para presidente Fernando Henrique Cardoso, sociólogo uspiano e notório militante esquerdista dos tempos do regime militar. Entrávamos, sem que a população em geral tivesse a mais tímida ideia, no período mais tenebroso da malfadada República brasileira.

LeiaMais

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

Nesse ano, o então anônimo Foro de São Paulo completava, como eu, seu quarto aniversário. Fidel, Lula e cia tramavam livremente, sob a proteção da imprensa, os próximos passos à ascensão e consolidação de um bloco de repúblicas socialistas na América Latina para que, no plano geopolítico mundial, houvesse alguma compensação à debacle da União Soviética.

Por esses tempos,  já se podia sentir o sucesso do empreendimento da intelectualidade esquerdista brasileira que, sendo forçada a abandonar a luta armada e incentivada por um erro de cálculo estratégico monumental do general Golbery, emplacou um processo de conquista de hegemonia cultural nos moldes do que ditava o ideólogo comunista italiano Antonio Gramsci e colocou seus antigos guerrilheiros e militantes nas mais importantes cátedras universitárias, nos editorias de jornais e revistas, na direção de novelas, nos púlpitos e altares e em posições chaves na máquina pública. Em 1989 e em 1994 o establishment e parte considerável da população já tinha um certo sindicalista e agitador de massas como seu preferido ao cargo máximo da nação. E isso não foi por acaso.

O Filósofo

Foi exatamente em 1994 que um certo filósofo e jornalista lançou um livro falando sobre a New Age e sobre o mencionado projeto gramsciano de tomada de poder, segundo o filósofo, em franca efetivação em nosso país. O autor era Olavo de Carvalho e o livro A Nova Era e a Revolução Cultural, o primeiro da trilogia que alavancou Olavo ao status de intelectual relevante ainda que temido, odiado ou dissimuladamente ignorado pela imensa maioria dos seus pares nas redações dos jornais e nos círculos intelectuais.

Olavo, nos seus textos e artigos, denunciava, já em 1994, uma certa dominação esquerdista na nossa cultura e política e isso, naquele cenário, soava conspiratório, quixotesco, qualquer coisa de exótico. Era muito difícil sustentar, no ambiente culturalmente provinciano do país, que, tendo naufragado o comunismo no mundo inteiro ele viesse a ressuscitar justamente no Brasil de Collor, FHC, do trabalhismo brizolista, do sindicalismo lulista, dos fisiocratas do MDB e de uma população maciçamente conservadora.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

Mas o filósofo, como um pregador no deserto, não cessou de dizer o que via – como sói ao verdadeiro filósofo – e o que via era a bendita vitória dos esquerdistas que, agindo às escondidas, não enfrentavam firme resistência a não ser por meio de uns outros poucos intelectuais e políticos isolados como Enéas Carneiro, Roberto Campos e Meira Penna.

E a pregação lhe custou tudo. Perdeu empregos e a reputação. Recomendaram que o jogassem no limbo da história, que dele não se falasse. Entretanto, na medida que continuava o expediente difamatório e opressor daqueles que eram os alvos de suas denúncias, aumentava sua ânsia de dizer a verdade, de apontar as charlatanices, os embustes, as falsidades e os crimes da gangue de políticos e intelectuais que se ancoravam, cada vez mais firmemente, nas camadas mais altas do poder.    

Em 1994, há 25 anos.

Os Deputados

Num certo dia de 1994 Alexandre Frota, então sex symbol da Rede Globo, estava transando com Núbia Oliver num terraço durante um jogo da Copa do Mundo. Só depois de toda uma trajetória de vida no mínimo contestável e atulhada de polêmicas públicas é que Frota aparece interessado pelas discussões políticas da ordem do dia. Isso em 2016. Entre 2004 e 2009, por exemplo, quando o bando de Lula estava fazendo o país de gato e sapato sob os olhares atentos e a verve condenatória do filósofo, ainda voz pouco ou nada ouvida, Frota estava estrelando clássicos do cinema nacional como o Invadindo a Retaguarda ou A Proibida do Sexo e a Gueixa do Funk. Quando, enfim, se interessou por política, em 2016, já se grassava a tsunami antipestista e, como que por força das circunstâncias, nosso nobre ex-jogador de futebol americano encampou o lado da direita nos movimentos de rua. Elegeu-se deputado federal pelo PSL em 2018.

Em 1994 Carla Zambelli tinha 14 anos. Só em 2011, aos 31, entrou na vida pública, 17 anos depois da publicação de A Nova Era e a Revolução Cultural. Carla, fundadora do movimento Nas Ruas, militava contra a corrupção, coisa obviamente louvável. Porém, à época, parece que não tinha sequer vaga ideia de que o assalto ao erário público era mal menor se comparado à corrupção ideológica, a verdadeira causadora, além dos Mensalões e Petrolões, do emburrecimento de duas gerações, do fortalecimento do crime organizado e da entrega do país a interesses estrangeiros escusos. Isso tudo só veio a saber mais tarde, ali por 2015. Elegeu-se deputada federal pelo PSL em 2018.

O senso das proporções

Ambos deputados, Frota e Zambelli, junto com mais uns de sua trupe, foram recentemente questionados pelo nosso filósofo que, de isolado quase como um leproso, tornou-se, nos últimos anos, e, mais propriamente nos últimos dois meses, uma das pessoas mais comentadas na grande mídia e nas redes sociais, uma verdadeira celebridade inevitável, pessoa a quem muito se atribui, inclusive, a vitória de Bolsonaro e, por consequência, da leva liberal-conservadora que agora lota nossos parlamentos brasil adentro. Incluindo Zambelli e Frota.

O filósofo questionou os deputados por conta de um erro flagrante e muito sério. O assunto dizia respeito a coisas que o filósofo nos avisa desde 1994.

Os deputados, porém, muito ciosos de sua nova posição de prestígio e de sua brilhante trajetória nos negócios políticos brasileiros, saindo em desesperada autodefesa diante do mais que merecido puxão de orelhas acusaram o filósofo, aquele que falou sozinho por décadas, que perdeu o emprego e foi ameaçado de morte, mas que ainda assim fincou os pés, empertigou-se, seguiu seu propósito e, desde longe, como um exilado, educou toda uma geração de jovens ignorantes e perdidos, acusaram a esse homem, o de 1994, de não ter levantado a bunda do sofá, de estar longe e não ter por isso autoridade para opinar, de não ter sofrido junto com os brasileiros, de ser um guru ideólogo, de dar piti.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
ANÚNCIO

Desenhando

Os deputados acusaram o filósofo. Os mesmos deputados que surgiram pelo menos 20 anos depois do filósofo. Os mesmos que tiveram suas candidaturas viabilizadas única e exclusivamente graças à onda trazida por Jair Bolsonaro. O Bolsonaro que, por sua vez, se tornou um fenômeno político de relevo porque um certo filósofo, 25 anos antes, como que munido apenas de um facão (sua língua) e uma lanterna (sua inteligência) começou a desbastar uma fechadíssima e tenebrosa floresta, rodeada de tudo que é peçonhento, obscuro e perigoso e inventou uma trilha, trilha esta pela qual, como que trazidos pelas suas mãos, um e um de seus alunos mais comprometidos foram atravessando até que se descobriu, ao fim de pedregoso caminho, um ambiente gostoso e quase secreto onde se podia dizer a verdade e ser compreendido. E como a verdade é um bem e os homens são atraídos pelo que é bom, o novo caminho foi sendo participado a outras e outras pessoas que, na medida que o atravessavam, iam-no alargando e tornando-o cada vez mais conhecido e frequentado ainda que, com o passar do tempo, ficasse meio confuso discernir quem tinha, no final das contas, desvendado-o.

E foi esse grupo quem primeiro soube, ouvindo da boca do filósofo, de seus discípulos ou de admiradores, da existência do mítico Foro de São Paulo, do movimento revolucionário comunista ainda em pleno vigor, da crise profunda da nossa alta cultura em decadência vertiginosa há décadas, do lugar do Brasil na História mundial, das nossas raízes perdidas e dos nossos heróis injustiçados.

Foram essas as pessoas que sustentaram, no início, o deputado isolado e desacreditado pois ele também falava a língua dos do grupo da floresta. Falava, por exemplo, do Foro de São Paulo e da existência de uma esquerda radical por detrás da inversão de valores, da ascensão da bandidagem e do desastre educacional. E falava isso pois ouviu, ainda que em sussurros distantes ou por meio de bons informantes, as conversas da turma da trilha da floresta. Da trilha aberta pelo filósofo.

Peço perdão pelo exagero poético, mas a imagem é mais ou menos essa. A ordem das coisas está dada. A hierarquia está aí subentendida.

Por fim, puxe da memória o que você estava fazendo em 1994.


Nos ajude a construir uma mídia independente, apoie o S1N7ESE e receba recompensas e vantagens por isso: clique aqui!


Conteúdo relacionado

23
Deixe um comentário
avatar
1000
23 Tópicos de comentários
0 Respostas de tópicos
19 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Tópico mais comentado
20 Autores de comentários
Leomar.baumann@gmail.comGoulartSueli BernardinettiJoãoRonald Autores recentes de comentários
  Se inscrever  
mais novos mais velhos mais votado
Notificação de
CLARICE GOMES MORENO
Visitante
CLARICE GOMES MORENO

Foi a melhor explanação que li sobre o perigo que corriamos com a esquerda no.poder, excelente explicação de como o professor Olavo nos livrou de tudo isso, obrigada professor Olavo, obrigada Fábio por expor esse texto com muita clareza de entendimento, parabéns.

Francisco Ribeiro Reis
Visitante
Francisco Ribeiro Reis

Fábio, que texto perfeito! Devia ser lido em voz alta para que muitos tomassem conhecimento destes fatos. O que farei, se Deus assim me permitir. Quanto à sua pergunta final, eu tinha, então 34 anos em 1994, no auge do meu vigor físico, espiritual e intelectual. Buscava exatamente esse “Jardim Secreto” que o Olavo nos descortinou. Parabéns, Fábio! Que Deus guarde intactos sua alma e intelecto. Deus o abençoe, ainda mais!

Fernando Moulin
Visitante
Fernando Moulin

Eu já estava denunciando e combatendo o PT entre meus amigos e dentro dos círculos da esquerda desde 1992. Eu achava que estava só até descobrir o Olavo em 2013, me senti aliviado pois achava que o Louco era eu. Foi um alívio.

Soraia Malafaia Gomes
Visitante
Soraia Malafaia Gomes

Em 1994 eu tinha 32 anos, hoje tenho quase 57. Sou testemunha da vida da juventude do Brasil nos tempos da ditadura, pois ao seu término em 1985, eu tinha 23 anos. É realmente lamentável que estes dois exemplos de recém eleitos parlamentares, sejam o protótipo do tipo Arrivista. Sempre surfando nas ondas do momento… Hoje 2018 já tenho quase 20 anos de bagagem de TI, na área de suporte, iniciados na Banda Larga. Acompanhei o início da entrada das empresas Huawei e ZTE no Brasil, elas forneceram modens para Telefonica, para conexão de assinantes Speedy, porém por um curto… Leia mais »

Ivani
Visitante
Ivani

Eu estava entrando na Universidade no início de 1994. Me vejo como uma das últimas de uma geração influenciada por valores de direita; valores como: estude muito, seja honesto e trabalhe com disciplina que vc chega lá. Mesmo tendo cursado matemática, alguns de meus professores me ajudaram a ver o valor de ler além dos livros obrigatórios. Tenho orgulho e gratidão por esses mestres. Quando FHC se tornou presidente, ele achava que era muito caro manter uma faculdade de matemática que formava em média 5 alunos/semestre dentro do prazo regular. “Mandou” alterar a grade curricular, retirando a obrigatoriedade das disciplinas… Leia mais »

João
Visitante
João

Apenas uma observação quanto a Carla Zambelli: em 2012 ela era do FEMEN, aqui há uma entrevista dela: https://youtu.be/Yvdsroup0lQ. Ela mudou da água pro vinho muito rápido. Não era de se esperar uma grande inteligência e estratégia política dela. Se o FEMEN foi capaz de conquistá-la então não parece ter um caráter confiável.

Maria Fernanda
Visitante
Maria Fernanda

Obrigada Fábio! Artigo esclarecedor e verdadeiro.

Derik Fonseca
Visitante
Derik Fonseca

Excelente! Em 1994 eu tinha 3 anos; em 2019, estou conhecendo (meio atrasado, será?) o seu trabalho. Passarei a acompanhar. Beijo fraterno do Pará.

Leomar.baumann@gmail.com
Visitante
Leomar.baumann@gmail.com

Não existe futuro sem passado ! Brilhante aula didática , pontual e esclarecedora ! É a nossa “história” verdadeira até os dias de hoje, hoje é o “futuro”.! Parabéns Sr.Professor Fábio Gonçalves, o Brasil de verdade agradece !

Goulart
Visitante
Goulart

A trupe das línguas presas seguidores da besta Barbuda de 9 dedos e o foro de São paulo jamais imaginaram que o apanágio de deste senhor fosse tão longe, pois o mesmo a duras penas trilhou seu caminho…
E juntou se a muitos para a nossa felicidade o Sr Olavo de Carvalho hoje e o homem que segura a lanterna que nos conduz ao caminho de saída das trevas.

Sueli Bernardinetti
Visitante
Sueli Bernardinetti

Nossa. Sou antiga. Revi com essa matéria toda minha tragetoria. Vivi isso tudo. Maravilha ter essa capacidade de fazer as pessoas que viveram determinada situação. Sentir que está dentro da narrativa. É como se estivesse vivendo tudo novamente. Obrigada. Eses minutos foram um renascimento.. Obrigada amei.

trackback
Fábio Gonçalves | Olavo de Carvalho
Ronald
Visitante
Ronald

Prezado Fábio,irretorquível seu comentário sobre o maior intelectual que o Brasil já teve.
Congratulações

Aparecida lellis
Visitante
Aparecida lellis

Texto excelente, didático, maravilhoso!

Ulisses Guimarães do Nascimento
Visitante
Ulisses Guimarães do Nascimento

Excelente texto. Pura verdade.

WILSON DE ALMEIDA JUNIOR
Visitante
WILSON DE ALMEIDA JUNIOR

Muito bom garoto. Acompanho essa história narrada por ti desde 1990.

léo guedes
Visitante
léo guedes

A maioria dos brasileiros, e é dever informar que a maioria dos políticos também fazem parte deste balaio, por conta da santa ignorância que os cerca estão por fora do que efetivamente ocorre no Brasil e principalmente em se tratando de geopolítica, pois estudar dá uma preguiça da porra. Mas pretendem usar o discurso, através de suas posições alcançadas pelo voto, como se fossem a reencarnação nada menos de Sócrates, o filósofo. Muito embora o jogador tivesse mais preparo intelectual que a maioria deles. Deveriam fazer cursos e cursos para estar à altura das necessidades do país. Conhecer sua realidade,… Leia mais »

sueliklock@gmail.com
Visitante
sueliklock@gmail.com

Excelente …Olavo de Carvalho muito bem enaltecido.

Adriana
Visitante
Adriana

Excelente texto, obrigado pela explanação.

João Vaz
Visitante
João Vaz

Texto maravilhoso! Sintese perfeita!

Marcelo
Visitante
Marcelo

Parabéns. Bem explicado. Gostei do texto.

Esses deputados precisam ser mais humildes e reconhecerem e experiência e a contribuição do Prof. Olavo e levar em consideração o que ele diz a respeito de coisa tão grave.

Soraia Malafaia Gomes
Visitante
Soraia Malafaia Gomes

Continuando o comentário: O problema é que os recém eleitos parlamentares, me representam e, sequer tomam 30 minutos do seu tempo para se inteirar sobre Huawei e ZTE e sua trajetória no Brasil e desconhecem que em Campinas – SP e na Bahia, sua tecnologia já é utilizada: https://olhardigital.com.br/noticia/sistema-de-reconhecimento-facial-chines-ja-e-testado-no-brasil-desde-2018/81349 Depois eles não podem vir com estas desculpas que não estão fechando negócio, pois ele já foi fechado. O que os chineses querem saber é quantos equipamentos o Brasil veio adquirir, querem preparar a produção para a demanda. É realmente desalentador que os primeiros 20 dias do governo Bolsonaro, já mostrem… Leia mais »

Próximo post